Sinto-me tão cansado(a) mas tenho de continuar a acompanhar o (a) meu (minha) filho(a). Haverá alguma solução para mitigar este meu cansaço?

A sua criança foi diagnosticada com uma doença hepática. Agora, as visitas ao hospital, remédios, análises, dominam a sua vida e o contacto com os profissionais médicos vai ser frequente daqui em diante. A sua vida mudou completa- mente, e um dia-a-dia normal deixou de existir.

Há muita informação disponível, deve haver grande stress e dúvidas, psicológicas e emocionais. É natural que queira que as pessoas pensem que consegue lidar com esta nova situação. A vida corre para si e para todos. Há ainda a correria do dia-a-dia em casa, possivelmente ter que lidar com mais crianças e o trabalho.

Todos perguntam pela sua criança e pelos seus problemas. Mas não perguntam como é que o resto da família está a lidar com a situação. Parece que a sua criança é o centro da sua vida, mas todos os outros também são importantes.

No hospital:
É fácil colocar-se numa situação em que é preciso dar, mas é difícil reconhecer que você também tem necessidades. Você tem que reconhecer que para dar o seu melhor, você tem que estar no seu melhor.
Se a sua criança está no hospital, e você está ao lado dela 24 horas, sem intervalos, apenas conseguirá ficar cansa- da, com fome, fraca.

Olhe por si:
•Dê a si mesma permissão para fazer um intervalo
•Durma
•Coma
Assim, ficará refrescada e mais capaz de lidar com o que mais aparecerá pela frente.

Em casa:
Se cuidar da casa cai principalmente sobre os seus ombros, então, sem entender isto como egoísmo, tente arranjar tempo para si.

Cuide de si:
•Negoceie com outros membros da família ou amigos e veja se consegue retribuir de uma ou de outra maneira.
•Faça alguma coisa só para si. Por exemplo: um longo banho sem interrupções, com tempo para ler a revista favo- rita, aposte num hobby ou numa saída com amigos.

Em geral:
•Tente não se sentir culpada por ter tempo para si, rir, esquecer por um minuto.
•Se encontrar alguém que a oiça, então aproveite. Só o falar de como realmente se sente já pode ser bastante útil.
•Lembre-se que você não é apenas mãe / pai de alguém – você é você, e você é importante!